Depois de falar das metodologias que eu uso, queria dividir aqui com você uma preocupação importante. Vou falar sobre aplicativos, mas não vou falar dos aplicativos.

PUBLICIDADE

Antes de mais nada, saiba que o método é uma coisa, o aplicativo que você usa é outra. Ãhn? Isso mesmo que eu disse. Se você não internalizar a metodologia primeiro, você vai acabar fazendo como eu, gastando uma energia enorme procurando o aplicativo ideal, que vai te ajudar a fazer acontecer e no fim das contas você vai acabar investindo muito do seu precioso tempo (é… aquele mesmo que você já não tem) na busca do santo Graal dos aplicativos. Resumo: esse aplicativo não existe! Pelo menos enquanto você não internaliza o método.

O GTD é uma metodologia que te ajuda a chegar em um ponto de esclarecimento do que você tem de compromissos/tarefas a cumprir, ou mais precisamente, se algo relativo a esses assuntos der problema, é contigo que a bomba vai ser resolvida. O David chama esse conjunto de coisas esclarecidas de inventário. Se um inventário é uma lista de coisas, então as tarefas organizadas conforme a metodologia, são pequenos inventários (tudo bem, alguns podem ser graaaaandes, rsrsrs) que te ajudam a tomar uma decisão: o que fazer primeiro.

Finalizando então, o aplicativo que você escolher, minimamente tem que te ajudar a ter uma visão sobre essas listas (por contexto, por próximas ações, por projetos). Com esse painel na sua frente você poderá se fazer a fatídica pergunta: considerando o prazo, o contexto, a energia e o maior impacto positivo, a ação que vou fazer agora é? Aí brother é contigo. Te antecipo, você vai errar bastante sobre o que é prioridade a se fazer, entretanto, só tem um jeito de melhorar essa habilidade e não é um aplicativo que vai dar conta disso. So just do it!

Um abraço focado!

Fernando Sobrinho

 

Não fique aí quietinho, se quiser dar um pitaco, esse espaço aqui é seu!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.