Depois de quase sofrer um trauma cerebral para explicar a inflação do mercado monetário, chegou a hora de explicar algo mais leve, mas que não é menos nefasto. Hoje vamos nos ater ao quanto é prejudicial um Estado perdulário e que quando acaba a grana, recorre a manobras erradas e pior, aumento de mais impostos para continuar financiando a farra e tirando a possibilidade de um país desenvolver todo o seu potencial.

PUBLICIDADE

Esse é o quarto artigo que fazemos de 12 que estão planejados e inspirados no artigo publicado no Instituto Mises Brasil e pode ser acessado link a seguir: Quer reduzir a pobreza de maneira definitiva? De início, eis as 12 políticas que têm de ser abolidas

Políticas fiscais expansionistas

Quando o governo gasta mais do que arrecada, ele incorre em um déficit orçamentário. Para cobrir este déficit, ele tem de tomar dinheiro emprestado (se endividar). Bancos e investidores emprestam esse dinheiro para o governo.
Dinheiro que poderia estar indo para investimentos e empreendimentos — que não só dariam emprego e renda para os mais pobres, como também produziriam mais bens e serviços para eles — acaba sendo desviado para financiar a burocracia do governo.
E, no final, esse endividamento será pago com o dinheiro de impostos, que asfixiam o empreendedorismo e a renda dos mais pobres.

Quando o artigo comenta sobre expansionista quer dizer na verdade que aumentam as despesas, sem no entanto, criar efeitos que façam gerar mais benefícios para a sociedade.

Na verdade o mecanismo que gera isso inclusive provoca o efeito contrário, pois para poder pagar os juros de investidores (grandes investidores e bancos) o dinheiro da arrecadação dos impostos banca essa farra.

Condomínio Brasil

Para tentar explicar esse fenômeno vou me valer de uma analogia com um Condomínio:

Imagine que o seu síndico ganhou um poder especial de tomar decisões sobre como gastar o dinheiro do condomínio. Então ele começa a perceber que o tanto que paga para a faxineira é pouco e resolve aumentar a remuneração dela, em um valor maior que o valor que as faxineiras normalmente cobram para limpar as áreas comuns de prédios semelhantes ao que você mora. E pior, você não verá uma melhora substancial na qualidade do trabalho prestado.

Ele também começa a decidir que o banco onde está a conta do condomínio, não será mais aquele que aceita um valor mínimo, mas agora ele quer uma conta em um banco com atendimento VIP, esses primes, personalittes e estilos da vida que tem por aí. Claro que a manutenção de uma conta com esse status é bem maior, e o fato de que ele vai tomar cafezinho gourmet e ficar em um ar condicionado sendo atendido por um gerente que fala difícil, não agrega nada de valor ao condomínio, principalmente para os moradores e suas famílias. Como tais despesas são mais caras, o valor mensal recolhido dos condôminos não fecha, então ele começa a usar o valor destinado à formação de capital (o famoso fundo de caixa) que serve para fazer aquela manutenção de tempos em tempos como pintura, reformas, etc.

Ah, outra despesa que ele resolveu colocar nas contas mensais do condomínio, foi o gasto com combustível no carro dele, pois ir e vir para resolver os problemas graves do seu condomínio não poderia ser bancado com o próprio dinheiro dele. E mais uma singela despesa que ele resolveu passar a gastar foi com segurança particular, sim ele passou a pagar aquela taxinha (não tão pequena assim) que o motoqueiro que passa a noite buzinando na vizinhança costuma cobrar pelos seus serviços de vigilância.

Pois bem, com esse cenário, acrescentamos o fato de que ele disse para todo mundo que quem quiser ver como estão as contas, é só acessar o site que ele passou a pagar o sobrinho para fazer e atualizar mensalmente os registros das despesas, sob o pretexto de “economizar” com Correios e ser ambientalmente mais responsável. Antes, você recebia debaixo da sua porta os gastos e sabia claramente como estava sendo gasto o dinheiro que pagava mensalmente, e agora precisava entrar em um site, que tinha tantas letras e palavras estranhas quando um comprovante de pagamento on line…

Depois de dois anos desse jeito, o síndico convoca para uma reunião, alarmando a todos sobre como estão críticas as contas do condomínio e que será necessário aumentar a mensalidade e que é para todo mundo ser mais responsável e economizar no consumo de água, pois esta estava muito alta.

Para resumir a história, na reunião todo mundo descobre que o condomínio agora era devedor do Banco, que um monte de grana foi pega a título de empréstimo, não há registro de como foi gasta essa grana, o fundo de caixa agora era só um fundo vazio.

Então além de pagar as contas mensais, os moradores, e você como um deles, terá que pagar além da taxa de condomínio mensal, praticamente o mesmo valor, para pagar o empréstimo no banco com juros de mercado (aquele mercado que vai arrancar o couro) e vocês irão conviver durante um bom tempo com esse problema.

Concluindo

Sacou que a única diferença entre o seu condomínio e o que acontece no Brasil só se chama escala? A grande questão é que nós vamos percebendo de forma muito lenta como isso ocorre, é um ajuste numa alíquota de combustível aqui, é o fim do subsídio de imposto em um bem ali, até chegar ao ponto de estarmos pagando 52% de tudo o que é produzido no país em forma de impostos, taxas, contribuições, pois nomeamos um síndico e demos poder para ele abrir o cofre para atender os interesses pessoais dele e não da coletividade.

Ei, não fique deprimido! Tem um jeito de começarmos a organizar essa bagunça, e em 2018 esse jeito é prestar atenção em candidatos e candidatas que batam na tecla sobre o necessário ajuste do tamanho do Estado. Temos que conseguir voltar a ter um Estado que caiba no nosso bolso, que possamos de forma saudável sustentar.

Um abraço libertariamente focado,

Fernando Sobrinho

Índice das 12 Políticas

01-Salário Mínimo, Encargos Sociais e Trabalhistas
02-Leis Contra o Trabalho Infantil
03-Políticas monetárias expansionistas e subsídios
04-Políticas fiscais expansionistas – (é esse artigo aqui)
05-Tarifas protecionistas
06-Crédito imobiliário subsidiado
07-Proibição de títulos de propriedade em favelas
08-Impostos indiretos
09-Agências reguladoras
10-INSS e FGTS
11-Leis anti-ambulantes
12-Burocracia e regulação
13-Conclusão

Não fique aí quietinho, se quiser dar um pitaco, esse espaço aqui é seu!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.