Chegamos aos quintos! Não espera aí, é o quinto artigo sobre as 12 políticas que nosso governo precisa abandonar para poder ajudar o Brasil a acabar com a pobreza, você não espera eu molhar o bico….
O artigo de hoje é uma porrada pois demonstra quão pernicioso e cruel é uma política que acaba beneficiando uma minoria em detrimento de uma maioria.

PUBLICIDADE

Ao todo são 12 artigos que estão planejados e inspirados no artigo publicado no Instituto Mises Brasil e que pode ser acessado link a seguir: Quer reduzir a pobreza de maneira definitiva? De início, eis as 12 políticas que têm de ser abolidas

Tarifas protecionistas

O governo impõe tarifas protecionistas para encarecer artificialmente a importação de produtos estrangeiros e, com isso, proteger a reserva de mercado do grande baronato industrial.
Essas tarifas impedem que os mais pobres possam adquirir produtos baratos do exterior, forçando-os a comprar apenas os produtos nacionais mais caros. Isso afeta toda a sua renda disponível.
Tendo de pagar mais caro por produtos nacionais, sobra aos pobres menos dinheiro para gastar em outras áreas. Isso é um ataque direto ao seu padrão de vida e bem-estar.

Muitas pessoas entendem que se um setor da economia tem concorrência externa que acaba tornando ela inviável ela precisa ser protegida por barreiras que tornam o custo da importação maior, garantindo que esse setor se perpetue e assim não se percam empregos. Então, quem aumenta tarifas de importação ganha uma imagem de protetor da economia, de protetor de empregos e essa imagem acaba pegando até para as pessoas que vão continuar pagando mais caro por conta dessa decisão. Se você acredita que é benéfico e às vezes necessário esse tipo de intervenção, os dados que vou mostrar para você abaixo certamente vão fazer você mudar de ideia.

Em Novembro de 2017 a CAMEX resolveu elevar o imposto de importação de dois produtos:

O ácido acrílico de 2% para 10%.
O polímero superabsorvente (SAP) de 2% para 12%;

A justificativa para essa elevação se dá para garantir a sustentabilidade do investimento feito no Complexo Acrílico de Camaçari (BA) inaugurado em 2015 (conheça o complexo aqui). Mas para que raios servem os dois produtos?

O primeiro, o ácido acrílico é um produto usado como matéria prima para produção de polímeros acrílicos, que são usados em produção de tintas domésticas à base de água e resistentes à umidade e em tintas à base de solventes, bastante usadas para recobrir utensílios domésticos, tais como geladeiras, máquinas de lavar e também em carrocerias de carros. Por conta desse polímero, os utensílios tornam-se resistentes a mau tempo, luz solar, além de poderem ser limpos regularmente.

O segundo, o polímero superabsorvente (SAP), é um item bem conhecido, talvez não de pronto pelo nome mas pelos itens que são produzidos a partir dele: absorventes íntimos femininos e fraldas descartáveis de toda gama de usos.

Bom, então para garantir o investimento da empresa dona do Complexo Acrílico de Camaçari que conta com 230 empregos diretos e 600 indiretos, vamos lá:

Cerca de 65 milhões de mulheres vão pagar mais caro em seus absorventes;
Cerca de 25 milhões de famílias vão pagar mais caro nas fraldas de seus filhos;
Uma parte dos 35 milhões de idosos, os que fazem uso de fraldas geriátricas, vão pagar mais caro também;

E toda a população que comprar uma geladeira, que for pintar sua parede, ou estiver lavando o seu carro, também vai pagar uma parcelinha dessa conta em que os beneficiados são os proprietários do complexo e os empregados diretos e indiretos.

Reflita se o custo da ineficiência do Brasil traz justiça social, pois a população mais pobre que já tem poucos recursos disponíveis, vai ter que arcar com mais despesas pela falta de eficiência do seu país em criar um ambiente que seja competitivo com a produção desses itens que é feita no exterior.

Tarifas que protegem um setor, fazem toda a população pagar a conta, esse é o resultado prático.

Fechar o mercado custa caro

Agora a título de curiosidade, veja o vídeo abaixo que também ilustra um efeito que fechar fronteiras também gera. Em resumo, fechar fronteiras vai te obrigar a produzir todos os produtos que hoje você consome normalmente, só que agora para ter acesso precisam ser construídos do zero. Imagine-se fabricando seu próprio celular, ou o notebook que você usa, ou os produtos de cuidados pessoais, pensou, pois bem, então não se assuste que fazer o seu próprio sanduíche fique pronto em seis meses e custe U$1.500,00, como é o caso do nosso amigo abaixo. Aproveite!

Um abraço libertariamente focado,

Fernando Sobrinho

Índice das 12 Políticas

01-Salário Mínimo, Encargos Sociais e Trabalhistas
02-Leis Contra o Trabalho Infantil
03-Políticas monetárias expansionistas e subsídios
04-Políticas fiscais expansionistas
05-Tarifas protecionistas – (é esse artigo aqui)
06-Crédito imobiliário subsidiado
07-Proibição de títulos de propriedade em favelas
08-Impostos indiretos
09-Agências reguladoras
10-INSS e FGTS
11-Leis anti-ambulantes
12-Burocracia e regulação
13-Conclusão

One thought on “12 Políticas – 05-Tarifas protecionistas”

  1. Faz todo sentido o texto. Parabéns. Acredito que existam outras formas de ajudar industrias brasileiras incipientes a serem competitivas e se firmarem no mercado (isenção na importação de tecnologias por exemplo). Sei que e difícil generalizar a gama de produtos nacionais, mas a ajuda aos compadres parece ser grande e não trazer benefícios aos brasileiros.

Não fique aí quietinho, se quiser dar um pitaco, esse espaço aqui é seu!

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.